• SIGA O JUSCELINO NAS REDES

ONU pede “estado de emergência climática” e governos renovam compromissos

Londres, 12 dez 2020 (AFP) – O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, pediu neste sábado que os governos declarem “estado de emergência climática” em uma cúpula virtual na qual países renovaram seus compromissos de redução de gases com efeito estufa.

Apesar da severa recessão causada pela covid-19, os países devem se esforçar e cumprir suas metas, disse Guterres, cinco anos após os Acordos de Paris, que fixaram metas históricas.

“Se não mudarmos o curso, poderemos estar caminhando para um aumento catastrófico na temperatura [média] de mais de 3° C neste século”, explicou Guterres, conclamando “todos os líderes do mundo a declarar um estado de emergência climática em seus países”.

Os países decidiram neste sábado aceitar o desafio, embora de forma desigual.

O presidente chinês Xi Jinping, cujo país é o principal poluidor do planeta, garantiu que reduzirá sua intensidade de carbono (emissões de CO2 em relação ao PIB) em 65% até 2030, em relação aos níveis de 2005.

A China está empenhada em atingir seu pico de emissões em 2030, baixando até atingir a neutralidade de carbono (emissões compensadas por retenção de CO2) em 2060.

O consumo de energia chinês virá de 25% de fontes renováveis em 2030, em comparação com 15,3% em 2019, garantiu.

Por sua vez, a Índia, o quarto maior emissor do mundo, planeja recorrer a fontes de energia renováveis para atingir o equivalente a 450 GW até 2030.

Até 2047, no centenário de sua independência, a Índia “não só alcançará seus próprios objetivos, mas excederá suas expectativas”, assegurou o primeiro-ministro Narendra Modi em seu discurso aos líderes mundiais.

A União Europeia já havia anunciado na sexta-feira um aumento na redução de emissões, que agora será de 55% até 2030 (40% anteriormente).

O Reino Unido, por sua vez, comprometeu-se a reduzir em 68% suas emissões de gases.

Os compromissos foram recebidos com moderada satisfação pelos especialistas e ONGs.

Há cinco anos, em Paris, os países prometeram lutar para que o aumento da temperatura média do planeta ficasse “claramente” abaixo de +2° C, e se possível +1,5° C, em relação a a era pré-industrial.

“A China tem potencial para fazer mais. Fazer com que suas emissões atinjam o pico antes de 2025 (em vez de 2030) é algo que eles deveriam considerar”, explicou Li Shuo, um especialista chinês do Greenpeace.

A Índia, por sua vez, não se comprometeu a estabelecer uma data-alvo para a neutralidade de carbono.

O presidente chileno, Sebastián Piñera, pediu ao planeta que reduza suas emissões em 45% nos próximos dez anos.

Em videoconferência de Santiago, Piñera lembrou a mensagem que os países em desenvolvimento sempre mantiveram: as contribuições para o esforço devem ser “determinadas nacionalmente, proporcionais às capacidades e responsabilidades de cada país”.

Antes da cúpula, o Equador pediu mais “cooperação internacional” para mitigar e se adaptar às mudanças climáticas.

– “Bem-vindo de volta!” -Nessa cúpula virtual, que substituiu a prevista Conferência do Clima (COP), que foi remarcada em Glasgow (Escócia) no ano que vem, a principal notícia foi o ansiado retorno dos Estados Unidos às negociações.

O presidente eleito Joe Biden declarou em comunicado que “não há tempo a perder”, ao que o Presidente francês Emmanuel Macron responde em inglês: “bem-vindo de volta, bem-vindo ao lar!”.

Como negociações climáticas complexas, nas quais todos devem entrar em consenso, pouco avançou-se desde a saída dos Estados Unidos decidida por Donald Trump.

Trump se aliou a outros líderes, como o brasileiro Jair Bolsonaro, para desafiar o status quo diante da questão das mudanças climáticas.

Brasil e Áustria não estão entre os convidados neste sábado, por causa de suas metas, consideradas insuficientes.

Para o diretor executivo do Greenpeace, John Sauven, com esta cúpula “há motivos para ter esperança”.

“Com Donald Trump fora da Casa Branca e ações climáticas mais fortes da China, Coreia do Sul e Japão, agora temos a chance de reunir o mundo em um esforço maciço para reduzir as emissões de gases de efeito estufa”, enfatizou em uma declaração.

Por UOL

0 Comentários

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.

Inscreva-se

Receba as últimas notícias do Blog do Juscelino